Produdos Tradicionais Portugueses 

biblioteca online

 

 

Parceria portuguesa para os solos  Sistema de Informação do Regadio Bolsa Nacional de Terras

Rede Rural Nacional 

 

dieta mediterranica logo

Agricultura biológica Guia de apoio às explorações agrícolas  Serviço de Acncelhamento Agrícola Tecnicos em Formação Regulamentada

 

 

Balcão Único

 

Ofícios e Microempresas Artesanais

 

Enquadramento

Designa-se por atividade artesanal a atividade económica, de reconhecido valor cultural e social, que assenta na produção, restauro ou reparação de bens de valor artístico ou utilitário, de raiz tradicional ou contemporânea, e na prestação de serviços de igual natureza, bem como na produção e confeção tradicionais de bens alimentares.
Entende-se por artesão o trabalhador que exerce uma atividade artesanal, dominando o conjunto de saberes e técnicas a ela inerentes, ao qual se exige um apurado sentido estético e perícia manual. 
Artesanato é o produto obtido pelo exercício de atividade artesanal, o que implica fidelidade aos processos tradicionais, em que a intervenção pessoal constitui um fator predominante.
Este conceito inclui a produção de objetos de valor artístico ou utilitário e a produção e preparação artesanal de bens alimentares.
A nível nacional existe um processo de reconhecimento, quer dos artesãos quer das unidades produtivas artesanais, que conduz, respetivamente, à atribuição dos títulos designados por «carta do artesão» e «carta de unidade produtiva artesanal».
Este reconhecimento, inicialmente previsto no PPART, Programa para a Promoção dos Ofícios e das Microempresas Artesanais, aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 136/97, de 14 de agosto, com a redação que lhe foi dada pela Resolução do Conselho de Ministros nº 4/2000 de 1 de fevereiro, é atualmente enquadrado pelo PPAO, Programa de Promoção das Ares e Ofícios, criado pelo Decreto-Lei nº 122/2015 de 30 de junho. A finalidade deste programa continua a ser valorizar, expandir e renovar as artes e ofícios em Portugal, através de uma política integrada assente na atuação concertada dos vários departamentos da Administração Pública e dos diferentes agentes da sociedade civil. O PPAO promete um impulso renovado ao apoio nesta área, inserido no esforço mais amplo de promoção da competitividade, do emprego e da coesão económica e social do país. Este Programa apoia:
i) a capacitação de ativos para trabalharem neste setor, em particular através de formação em contexto de trabalho;
ii) a promoção e comercialização desses produtos; e
iii) o empreendedorismo associado a este setor específico, bem como, por essa via e pelos estímulos à contratação de trabalhadores por conta de outrem, a criação líquida de emprego, promovendo assim a inserção de jovens e adultos em situação de desemprego.
 
Legislação de base 
  • Decreto-Lei nº 110/2002, de 16 de abril
    Aprova o Estatuto do Artesão e da UPA e define o respetivo processo de reconhecimento. Este DL é operacionalizado através de 2 Portarias:

    Portaria nº 1193/2003, de 13 de outubro
    Regulamenta o processo de reconhecimento, define o Repertório das Atividades Artesanais e o Registo Nacional do Artesanato;
    Portaria nº 1085/2004, de 31 de agosto
    Regulamenta o uso do símbolo de “produto produzido por artesão reconhecido” ou “...em UPA reconhecida”.

  • Decreto-Lei n.º 121/2015, de 30 de junho
    Cria o Sistema Nacional de Qualificação e Certificação de Produções Artesanais Tradicionais.
  • Decreto-Lei n.º 122/2015, de 30 de junho
    Cria o Programa de Promoção das Artes e Ofícios e define um conjunto de modalidades de apoio no âmbito das atividades artesanais.
 
Participação da DGADR na atribuição do Estatuto do Artesão e da Unidade Produtiva Artesanal

A Portaria nº 1193/2003 de 13 de outubro, o IEFP procedeu à constituição de um grupo de trabalho pluridisciplinar, tendo em vista a análise das candidaturas relativas ao reconhecimento das cartas de artesão e de unidade produtiva artesanal. 
Esse grupo integra atualmente um representante de cada uma das seguintes entidades:
  • PPAO / IEFP, que preside;
  • DGADR (DDAAFA);
  • FPAO, Federação Portuguesa de Artes e Ofícios;
  • Associação dos Artesãos de Aveiro;
  • Associação dos Artesãos da Região Norte;
  • CEARTE – Centro de Formação Profissional do Artesanato.
No caso particular da “produção e preparação artesanal de bens alimentares”, o reconhecimento do Estatuto do Artesão e da Unidade Produtiva Artesanal está sujeito ao parecer vinculativo da DGADR.
 
 
Como requerer o Estatuto de Artesão e de Unidade Produtiva Artesanal

Os interessados deverão aceder ao sítio do PPART através do link do Estatuto do Artesão, onde poderão obter todas as informações necessárias, relacionadas, nomeadamente com a modo de organização dos processos e respetivos formulários de requerimento.
 

 

 logo agri fam  CAOF  uso eficiente da agua  sistema de  reconhecimento de regantes
 sir destaque2  Cartas Pery  NREAP  projeto BINGO